Notícias

Bomédico oferece plataforma para agilizar e facilitar marcação de exames e consultas médicas

04/10/2018 | Elis Lopes | INOVA



Marcar uma consulta parece tarefa simples, mas a demora e dificuldade em conseguir uma data ou médico disponível pode fazer com que o interessado adie o quanto puder essa providência. Foi pensando em superar esse e outros empecilhos, que um grupo de empreendedores desenvolveu o Bomédico, aplicativo que ajuda a agendar consultas e exames de forma rápida e prática. 

A aplicação disponível para os sistemas Android e iOS é o serviço oferecido pela startup, inserida no programa de incubação da Inova Metrópole, incubadora de empresas do Parque Tecnológico Metrópole Digital. Por meio da plataforma, o usuário pode encontrar o profissional de saúde mais próximo, marcar a consulta desejada 24h por dia e ainda receber notificações sobre o dia da consulta, evitando assim esquecer o compromisso. O aplicativo também funciona para remarcações e cancelamentos.

Tendo ingressado no programa de incubação da Inova em janeiro de 2018, a empresa já conta com 160 clínicas e profissionais da área da saúde cadastrados em seu aplicativo, tais como médicos, odontólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, ginecologistas, entre outros. Além disso, o app também oferece marcação de 50 tipos de exames.

O Bomédico permite que mais de uma pessoa faça uso do mesmo aplicativo. Dessa forma, ao se cadastrar, o usuário pode registrar familiares ou amigos. Para inscrever-se no app, o interessado basta informar nome, telefone, e-mail e criar uma senha para login. Na pesquisa pela consulta, pode-se escolher a cidade, especialidade, subespecialidade e gênero.

A equipe realizadora do app é composta pelo CEO da Bomédico, Rilton Campos, o seu gerente comercial, André Tinoco, os investidores Ângelo Antônio e Bruno Tinoco e o advogado André Medeiros, acompanhados de um time de quatro funcionários. “Nossa plataforma não objetiva apenas marcar consultas, mas melhorar a experiência do paciente. Nossa ideia é criar um ecossistema de saúde”, explica Rilton Campos.